quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Subjetivo







Filme tão belo no cinema.
Triste, mas, belo!
De uma beleza sutil, de entrelinhas complexas.
Refleti sobre muitas coisas e ao mesmo tempo fiquei na admiração das cenas e de tudo o mais, cada detalhe, cada fotografia.
Na saída do shopping, ainda com aquela sensação inquietante de achar que o filme disse muitas coisas e viajar nas interpretações "meramente subjetivas", deparo-me com uma outra cena interessantissima:
A menina (devia ter uns 9 anos) conversando com o pai, muito sorridente, feliz, diz eufórica:
- Não vejo a hora que chegue amanhã!!!
O meu pensamento foi imediato
Pensei: eu também!!!
Mas, por que queria que chegasse o amanhã?
O amanhã não tinha nada previamente agendado.
Nada interessante determinado.
O amanhã seria mais uma continuação de hoje?
O amanhã seria a mesma rotina de sempre?
O amanhã seria o "bater ponto" no trabalho.
O cumprir tarefas da agenda.
"Ode sempre"
Fiquei curiosa em pensar por que o amanhã para aquela menina seria tão esperado?
Ganharia um brinquedo novo?
Voltaria com o pai ao shopping?
Faria uma viagem de férias?
Iria a uma festinha de amigos?
Qual a importância do amanhã para ela?
Qual a importância do amanhã para mim?
Subjetividade...
Assim como na interpretação do filme assistido.
Assim como na interpretação da fala eufórica de menina.
Assim como tudo na vida!!!

2 comentários:

fernanda disse...

Marinês,

Queremos o amanhã, pois temos sempre a esperança de que mais um milagre acontece. Nem sempre ficamos satisfeitos com o milagre presente, o fato de estarmos vivos.

Adorei o texto! Faz a gente pensar e pensar...
Boa semana. Um bjão

Marinês disse...

Também adorei o comentário Fernanda!

Obrigada

Bjão