quarta-feira, 22 de agosto de 2012

.
.
.
Lá vem, lá vem....são pensamentos que por ora: chegam:
Parece-me tanto Manoel de Barros...pensamentos de uma infância e de uma criança que corre pelo quintal,  e que quintal grande e belo! Lá vem os irmãos e os amigos dos irmãos e ela e a amiga correm para trás da casa, sentam-se e escondidinhas devoram uma lata de doce de leite...Não, não devoram a lata, mais todo, todo o doce que dentro dela se mostra. Sorriem e comem rápido numa adrenalina tremenda...um medo de ter de dividir uma colher de doce com aqueles outros, um medo de deixar de viver aquele momento único: só das duas!
As duas vivenciam uma linda historia. De pequenas brincavam de bonecas, de casinha e de tantas outras brincadeiras inerentes a idade. Maiorzinhas vestiam as roupas e tênis parecidos e já começavam a se preocupar com maquiagem, cabelo, paqueras. A vida imbuiu-se de mostrar que de duas, apenas uma é a preferida, daí que para elas: isso doeu! Doeu fundo mesmo, porque para quem dividia a roupa, o doce, a vida, era impossível dividir o amor. Dividir o sofrimento desse amor, as angustias, as conquistas e toda a expectativa era possível. Porém ter de dividir o amado, era demais. E ele, ele assim como na quadrilha amava a outra amiga e não Maria, e Maria não queria amar José, era João que ela queria.
Assim, não foi possível ser amada por João que logo mesmo se encantou foi por Verinha e ambos corresponderam a esse sentimento. Daí que Maria rompera com Verinha e entendera que amigas, amigas não correspondem aos encantos de um amor da amiga. Amigas se respeitam e se permitem ser maiores do que uma paixão. Mas, isso ninguém ensina a amigas de 12, 13 anos. A vida em si é dura. Ela une para poder separar! A vida é cruel, nem sempre ela ensina o que precisa na hora em que se precisa. Às vezes o aprendizado vem tarde demais. Depois de uns quase 20 anos! Não, Verinha não ficou com João, a união deles foi um fracasso, porque João resolveu  que queria Verinha e queria Maria e não queria na verdade nenhuma delas! Ele levava e trazia, levava e trazia recados de uma para outra, ele levava a saudade e trazia a distância. João distanciava as duas, cada dia mais, e foi no momento exato em que rompeu com elas que ambas perceberam-se traídas, não por ele, mas, por elas. Como podiam? Como podiam esquecer as longas historias que contavam, as inúmeras gargalhadas que davam, os choros desesperados que presenciavam, as latas de doces que consumiam, as cartas que trocavam, as coreografias que ensaiavam, as qualidades da outra que admiravam, os defeitos que nem sequer notavam, como podiam?
Como podiam romper com um amor tão verdadeiro para sucumbir a um amor tão superficial, banal e inverossímil?
Como podiam?
Ninguém sabe...Maria casou-se com Antônio, Verinha casou-se com Rafael, João casou-se com Carolina. Maria logo que separou de João casou-se com Antônio depois de um tempo nasceu um filho...de Antônio nada tinha, a não ser: toda fisionomia de João! Verinha seguiu sua historia e João tem um filho com Carolina. Outro dia João se encontrou com Verinha que citou ter visto o filho de Maria que lembrava demais aquele João que separou, Maria de Verinha, mas ele.. ele disse que só tinha mesmo, um único filho, Léo que tem com mãe Carol. Verinha entendeu que João é assim realmente: alguém que traz a saudade e leva a distância!!! Distante de tudo e de todos, Verinha cabisbaixa só conseguia pensar em como: como podia?
E não chegou a conclusão alguma, porque João é assim, Verinha é assim, Maria é assim, a vida é assim, cada qual, cada qual..........e quaisquer, quaisquer outras coisas, não são mais que coisas, do que  pequenas coisas , mais a verdade é que tem coisas que são belas e tão significantes, como o riso das meninas escondidas com as bocas cheias de doce de leite e que acreditavam que a vida era doce .......Mas, a vida assim como João: traz a saudade, leva a distância!!!!

7 comentários:

Luis Garcia disse...

Uma desculpa pela intrusão e um convite para ler nas férias (o no que sobrar delas :) ) http://www.luisgarcia.com.pt

Marinês disse...

Ola Luis Garcia

Seja intruso sempreeeeeeee...........és bem vindo!!!

vou ler sim,

abraço

Marinês

PPR disse...

Boa noite! Já sigo o seu blog há algum tempo e agora gostava de partilhar o meu. http://umbrindeafrustracaodacondicaohumana.blogspot.pt/
visite e deixe a sua opinião :)

Leandro Coimbra disse...

Muito bom. Reativa esse blog!!!!!

ulisses sebrian disse...

Olá, tudo bem. Meu nome é Ulisses Sebrian e sou escritor. 3 Vim te apresentar os meus livros. Estão disponíveis para ler nesse link. http://migre.me/dVzMI
Ou se preferir entre em meu blog e na barra lateral tem as capas dos livros basta dar um clique na foto e ler. http://truquedevida.blogspot.com.br/ Obrigado e muito sucesso e felicidades para você.

Nuno Jesus disse...

http://menteaberta16.blogspot.pt/ gosto dos textos, gostava que lê-se um pouco dos meus, tudo da minha autoria, boa noite.

Ayee Blackcrow disse...

Olá!
Primeiro de tudo: você trocou "mas" por "mais" algumas vezes, cuidado! E não precisa usar tantos "dois pontos" (:), a vírgula (,) também pode ser usada com o mesmo objetivo. A história é legal, mas o texto ficou confuso em alguns momentos...
Bem, era só isso mesmo.
Boa sorte e continue escrevendo!